Whatsapp
Portal Ciesp > Notícias > Comemoração do Dia Internacional da Mulher

Noticías

Comemoração do Dia Internacional da Mulher29/03/2021Os princípios de empoderamento feminino e o autogerenciamento
 
O Departamento de Desenvolvimento Humano Organizacional trouxe, no dia 24 de março, um workshop inédito em comemoração a esta data tão significativa por seu simbolismo que é o Dia Internacional da Mulher.
arquivo sem legenda ou nome
 
O evento propôs a sensibilização em relação a importância do empoderamento feminino e seus impactos na vida das mulheres nas organizações, a partir da noção de gestão de tempo, aliando o ambiente cotidiano que contempla carreira profissional e vida pessoal.
 
Na ocasião, a diretora do DHO, Lúcia Rosolen, descreveu: “Tivemos uma visão extremamente abrangente sobre o feminino e a condução da mulher no mercado de trabalho, no mundo e no Brasil.  Avaliamos a questão da inclusão real da mulher no mercado de trabalho, no sentido de dar as oportunidades de carreira e ascensão. Tudo isso nos permite olhar para nós mesmas e para as mulheres do entorno, criando cada vez mais oportunidades de crescimento dentro das companhias.”, avaliou da diretora do DHO.

Em sua explanação, a Dra. Alessandra Benedito, que é também membro da Rede de Mulheres Brasileiras Líderes pela Sustentabilidade e do Comitê de Mulheres Executivas da Câmara Americana de Comércio de Campinas/SP, abriu caminho com a sugestão de uma mudança de valor no que se refere a recepção  e aceitação do que é proposto muitas vezes às mulheres. “O olhar para as microfissuras, às micro agressões, nos faz entender e fortalecer a nossa postura frente aos possíveis preconceitos e imposições ainda presentes no mercado. Quando falamos em inclusão da mulher, não se trata apenas de ‘colocá-la dentro mercado’, mas de fato oferecer condições reais para sua adaptação, desenvolvimento e contribuição efetiva.”, valorizou a especialista.
 
“Em todo o mundo, a situação das mulheres é pior do que a dos homens pelo simples facto de serem mulheres. A realidade é ainda mais séria para as mulheres que pertencem a minorias, mulheres idosas, mulheres portadoras de deficiência, migrantes e refugiadas”. (ONU-Mulheres).
 
Sobre a palestrante
Doutora e Mestre em Direito Político e Econômico e Especialista em Direito Processual Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Especialista em Magistério do Ensino Superior pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (SP), mesmo local no qual é pesquisadora do Núcleo de Justiça Racial e Democracia, bem como coordenadora do Núcleo Equidade Racial. Professora convidada da Escola de Administração da Fundação Getúlio Vargas (FGVEAESP) e Curso de Pós-Graduação em Direito Constitucional da UNICAMP. Professora dos cursos de Graduação e Pós-Graduação do Curso de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Coordenadora de Sistema das Relações de Trabalho na OAB/SP. Membro da Rede de Mulheres Brasileiras Líderes pela Sustentabilidade e do Comitê de Mulheres Executivas da Câmara Americana de Comércio de Campinas/SP. Consultora em Estratégias de Inclusão e Gestão de Diversidades Gênero Racial nas Organizações. Membro do Conselho Fiscal do Instituto Luiz Gama. Coordenadora do Curso Direito CCT-Mackenzie Campinas (2017-2020).
Compartilhar:
Comentários:Nenhum comentário foi publicado.

Deixe aqui seu Comentário:

Nome:
Empresa:
Comentário: